12 de mai de 2017

Teixeira de Castro - Parte 2


Título 1 — Família Teixeira de Castro.

O patriarca de dois ramos formados no Brasil desta família foi Joaquim Antônio Teixeira de Castro, que nascera por volta de 1816, no Norte de Portugal, onde também iniciou estudos para se tornar padre. Estudos estes já bem adiantados em 1836, interrompidos por ter sido expulso da entidade religiosa. O motivo teria sido um desentendimento havido com um padre do corpo docente do colégio. Tornando-se sobremaneira persona non grata no reino português, por ser a religião então unida ao estado. Ele acabou indo para a vizinha região da Galiza. Tinha conhecimentos referente à agricultura que trouxe da família e também da fabricação de pães e outros produtos derivados da farinha de trigo, adquiridos na padaria do colégio.1,4,6
Entrementes, já havia uma conterrânea sua de nome Constança Maria da Conceição, que muito o amava e com ele sonhava ter um lar. E logo no reencontro, após ele ter deixado os estudos, iniciaram um planejamento para dar um novo rumo em suas vidas. Mas, como se tornou impossível naquelas circunstâncias organizarem suas vidas em Portugal, fizeram então um pacto: o de virem para o Brasil e aqui se casarem e viverem. E em 1836, para poder viajar, ele alterou alguns dados seus, tirando o seu passaporte como sendo natural da vizinha Galiza e resolveu vir primeiro do que ela para o Brasil.1
E foi num domingo, dia 01 de janeiro de 1837, dizendo contar apenas, dezoito anos de idade, que Joaquim Antônio Teixeira de Castro zarpou da cidade do Porto com destino ao Brasil pela galera Lusitano – que era um tipo de embarcação de três mastros com grandes velas arredondadas. Desembarcou no porto do Rio de Janeiro, no dia 21 de fevereiro de 1837, uma terça-feira de lua cheia, depois de exaustivos 51 dias de viagem, isto provavelmente por causa das paradas programadas e também pelas calmarias da Costa da África. Joaquim Antônio Teixeira de Castro era pela relação de passageiros, o de número 105, dentre os 124 que vieram desconfortavelmente na embarcação.2
Numa quarta-feira, dia 08 de março de 1837, depois de transcorridos quinze dias da sua chegada ao Rio de Janeiro, ele compareceu ao Escritório de Controle de Imigrantes da Polícia da Corte e disse que morava por ora na Lapa do Desterro, número 19, trabalhando numa padaria. Já nas anotações que se encontram à margem direita do mesmo documento constam que ele era possuidor das seguintes características pessoais: trigueiro (moreno claro), de estatura ordinária (normal), de cabelos castanhos, olhos pardos, nariz e boca regulares.3
A Lapa do Desterro, onde ele provisoriamente passou a residir e a trabalhar, era um lugar muito frequentado pelos portugueses recém-chegados à cidade do Rio de Janeiro. Era na época a parte da Cidade que mais havia se desenvolvido desde o fim do reinado de Dom João VI. A referida Rua Lapa do Desterro, começava na igreja de Nossa Senhora do Carmo e ia até a Rua Direita, no centro da Capital do País.
Depois vamos encontrá-lo já por volta ano de 1840, estabelecido em Magé, na então Província do Rio de Janeiro,4 convivendo estável e conjugalmente, com Constança Maria da Conceição,5 que chegou de Portugal depois dele; sem tampouco oficializarem o casamento religioso nos anos subsequentes.1
Em Magé nasceram os filhos: Maria Joaquina de Castro, por volta de 1841;5 João Zeferino de Azevedo Castro, em 1844 aproximadamente6,7 e Ana de Azevedo Castro.1 Dentre estes, só a Ana permaneceu solteira, enquanto os outros dois vieram a se casar1 e lhes deram 13 netos.
A família transferiu-se para Minas Gerais provavelmente no início da década de 1850, estabelecendo-se numa área bem próxima do local onde se formou o Distrito de Providência, no Município e Comarca de Leopoldina. Pelo ano de 1855 faleceu Constança Maria da Conceição, que contava apenas cerca de 37 anos de idade e após 15 anos de vida conjugal.
Viúvo com três filhos ainda na menoridade, Joaquim Antônio Teixeira de Castro, já com cerca de 41 anos de idade, casou-se em 1856, com Carolina Augusta de Siqueira, viúva sem filhos do capitão Lucas, proprietário da fazenda Sossego (já demolida), situada também naquelas cercanias.1
Joaquim Antônio Teixeira de Castro foi proprietário do sítio Gratidão, situado no lugar então denominado “Córrego do Rocha”, adquirida de Antônio Gomes da Rocha, provavelmente desmembrada da sesmaria de Manuel Gonçalves da Rocha.8 Esta referida sede já foi demolida há muitos anos.
Além de ajudar a criar os três enteados, chamados: Maria Joaquina, João Zeferino e Ana, a Carolina Augusta de Siqueira Castro deu-lhe mais seis filhos, que foram os seguintes: Antônio Augusto, Maria Luíza, José Augusto, Francisco Augusto, Joaquim Antônio e Luiz Augusto.1 Dentre os quais, exceto o Francisco Augusto que faleceu ainda criança, os outros cinco chegaram à idade adulta e se casaram. E estes geraram mais 39 netos; totalizando portanto 52 netos.1
Carolina Augusta de Siqueira Castro morreu num domingo, dia 14 de novembro de 1880, na sede do sítio Gratidão,9 distante poucos quilômetros, da estação ferroviária de Providência, no Município e Comarca de Leopoldina, Minas Gerais. Presumimos que ela tenha falecido com cerca de 53 anos de idade e tinha cerca de 24 anos de casada.
Já, o Joaquim Antônio Teixeira de Castro morreu numa terça-feira, dia 31 de janeiro de 1893, às 11 horas e 30 minutos, em domicílio no Distrito de São Luiz, atual Trimonte, Município de Volta Grande, Comarca de Além Paraíba, Minas Gerais. Pelo registro de óbito, contava 76 anos de idade.79

§ 2 – Geração de Joaquim Antônio Teixeira de Castro
com Carolina Augusta de Siqueira Castro.

Joaquim Antônio Teixeira de Castro ficando viúvo por volta de 1855, casou-se em 1856, com Carolina Augusta de Siqueira, viúva sem filhos do capitão Lucas, que fora proprietário da fazenda do Sossego – sede já demolida – que ficava situada na região onde se originou o Distrito de Providência, no Município de Leopoldina (MG),1 passando então a se chamar Carolina Augusta de Siqueira Castro. Sendo esta nascida em Minas Gerais, por volta de 1830, pouco mais ou menos e que morreu no dia 14-11-1880, domingo – depois de aproximadamente 24 anos de casada – na sede do sítio Gratidão, local que fica situado próximo também do Distrito de Providência.9 Joaquim Antônio Teixeira de Castro morreu no dia 31-01-1893, terça-feira, aos 76 anos de idade.10 Seus corpos jazem sepultados no cemitério de Angustura, Município e Comarca de Além Paraíba, Estado de Minas Gerais.

Nenhum comentário: